Elizabeth Ryan

Colombo Innovating project
Parque Agroindustrial de Base Tecnológica de Colombo

20 Oct 2016

Context

O Parque Agroindustrial de Base Tecnológica de Colombo tem por objetivo fortalecer a estrutura econômica local explorando os aspectos sistêmicos das organizações produtivas e o desenvolvimento de uma sociedade mais justa e sustentável.

Ao levar adiante um projeto baseado em princípios do desenvolvimento sustentável, a Prefeitura de Colombo oferece uma plataforma de aceleração de empreendimentos de alto conhecimento inovador, proporcionando um ambiente institucional favorável à formação de um futuro Arranjo Produtivo Local – Cluster. Esta configuração institucional visa estimular e promover as práticas de governança fornecendo diretrizes à comunidade empresarial para a promoção do crescimento sustentável e da cidadania.

Além disso, o projeto contribui para manutenção das áreas de preservação ambiental dentro do município de Colombo, como as reservas de Araucárias Angustifólias e o Aquífero Karst – a maior reserva de água subterrânea da região, que abrange uma área de 5.740 km2.

A instalação do Parque Agroindustrial de Base Tecnológica em Colombo traz impactos positivos no desenvolvimento de Colombo por unir elementos fundamentais do bem-estar social, como ensino, formação de valor, oportunidades de emprego e renda além de negócios.

Diagnóstico

Colombo é a maior colônia italiana no Paraná, os primeiros imigrantes fixaram-se na região em 1878 quando um total de 40 famílias receberam os primeiros lotes de terra, divididos em 40 urbanos e 40 rurais, o loteamento recebeu o nome de Colônia Alfredo Chaves e no final do século XIX houve a vinda de novos contingentes de imigrantes polacos, e italianos que fez surgir as Colônias Antônio Prado, Presidente Faria, Maria José (que se tornou o município de Quatro barras), e em 1888 criou-se a Colônia Eufrazio Correia (atual Bairro do Capivari), e em janeiro de 1890 A Colônia Alfredo Chaves, de maior destaque passou a chamar-se Colombo e em 05 de fevereiro foi desmembramento de Curitiba, tornando-se município abrangendo as demais Colônias. Porém em 1932 o decreto nº 1703 alterou a denominação do município para Capivari e anexou-o novamente a Curitiba. Esta anexação durou até 1943 quando foi restaurando o poder político-administrativo e o nome de Colombo. A primeira fábrica foi inaugurada em 1880 e destinava-se a produção de fubá a segunda, da mesma família, especializou-se na fabricação de louças e chegou a ser considerada a melhor do país, pegou fogo gerando enormes prejuízos econômicos no município. Entre os anos de 1932 e 1947 surgiram outras fabricas no município, porém este sempre manteve uma característica agrícola, principalmente pela herança vinculada ao plantio da uva, que já não mais é predominante na região. Atualmente a economia da região é diversificada e sua população ainda que predominantemente de descendentes italianos vinculados ao agronegócio, porém já apresenta a influência de outras gentes vindas com a explosão do crescimento demográfico ocorrido a partir dos anos 70.

A extensão territorial de Colombo é de 197,805 Km² a 17,30 Km da Capital (Curitiba). A proximidade com a Capital é um fator que traz benefícios e desafios inerentes aos municípios próximos de regiões metropolitanas.

O crescimento da Capital exerceu um grande impacto social, econômico e urbano em Colombo, que entre as décadas de 70 a90 do século XX teve uma das maiores taxas de crescimento dentre as cidades da região metropolitana. Entre os anos de 1992 e 2010, Colombo, praticamente dobrou o número de habitantes, saindo dos 122.666 habitantes em 1992 (IPARDES, 2016) para um total de 212.967 habitantes em 2010e 232.432 em 2015 (IBGE, 2016). Para 2016 a previsão é de 234.941 ainda segundo o IBGE (2015). Já o total de domicílios em Colombo em 2000 era de 55.442, sendo 2.659 em área rural e em 2010 o número fechou em 68.33 sendo apenas 3.339 em área rural.

A densidade demográfica de Colombo quem 2000 era de 926,82 hab/km² com taxa de urbanização de 95,44%, foi para 1.076,65 hab/km² em 2010, com grau de urbanização de 95,42 e 1.175,06 hab/km² em 2015 (IBGE, 2015 e IPARDES, 2016). Em 2014 a densidade demográfica foi de 1.162,11% (MP, 2015), concentrando-se nas regiões dos bairros Guaraítuba, Maracanã e Roça Grande, bairros próximos a Capital, região sul do município. Ficando a parte central, que concentra a vida politica do município e a região norte, que concentra a parte rural, uma ocupação relativamente ordenada.

Esta distribuição populacional, peculiar, dá ao município uma peculiaridade socioambiental e econômica a população, enquanto a parte Sul, sente-se extremamente ligada a Curitiba, a parte norte e central, tem uma visão fortemente tradicionalista, marcando a cidade de forma a não estabelecer um sentimento de pertencimento a todos os cidadãos colombenses.

As projeções de crescimento para 2030 feitas pelo IPADES (2016) apontam para o total de 260.258 mil habitantes por km². Um crescimento populacional mais estável, mas que ainda sim demandará do Município a capacidade gerar condições sociais e econômicas que proporcionem condições de vida com qualidade.Tendo em vista que este crescimento concentra a população nos bairros mais próximos a Curitiba, fazendo dela uma cidade dormitório nestas regiões.

A população colombense é majoritariamente urbana com uma ligeira maioria para mulheres, de acordo com o último censo do IBGE em 2010, que mostra 100.016 homens e 103.187 mulheres vivendo em área urbana e apenas 4.994 homens e 4.770 mulheres em área rural. Colombo possui 42 bairros, sendo 20 em área rural e 22 em área urbana. Existem três áreas de interesse social no município: 1) Zumbi, 2) Liberdade e 3) Vila Nova, 02 Zonas de Desenvolvimento Industrial (ZUPI 01 e ZUPI 02). Porém dada as questões geográficas e ambientais, a maior área de Colombo destina-se ao Desenvolvimento Rural – ZRD, de acordo com o atual Plano Diretor n° Lei 875 de 2004.

Em 2010 a maior faixa etária em idade ativa era entre os jovens de 15 a 34 anos, total de 77.488, seguido da faixa dos 35 aos 54 anos com total de 55.958, a menor faixa atingia a população dos 55 aos 64 anos com 13.922 (IBGE, 2010).

O setor econômico de Colombo é responsável por 43% do PIB do Paraná. Em 2010 o PIB foi de 2.374.437 e em 2013 de 3.796.353, com um PIB per Capita foi de 11.149 e em 2013 de 16.708. As atividades são concentradas nas áreas rurais e de serviços. O setor de serviços absorve 55,2% da mão de obra masculina acima do 16 anos e 86,7% da mão de obra feminina (IBGE, 2014 e IPADES, 2010).O IDH-M é de 0,733(ATLAS, 2013) que segundo o Ministério Público do Paraná (2016), deixa o município 73ª posição entre os municípios do Estado. Ainda de acordo com a Atlas (2013), a dimensão que mais contribui para o IDHM do município é Longevidade, com índice de 0,870, seguida de Renda, com índice de 0,715, e de Educação, com índice de 0,632, sendo que desde 47,94% acima de 25 possui com ensino fundamental completo, 29,20% o ensino médio completo e de 5,93% com superior completo (ATLAS, 2010). Contando com 28 escolas de ensino médio, 85 de ensino fundamental, 92 pré-escolas (IBGE, 2012) e 01 Instituto Tecnológico Federal do Paraná – IFPR, e apenas 01 faculdade particular. Para até 2017 existe a previsão da instalação de uma unidade de ensino do SESI/PR.

Colombo em termos logístico está bem localizada conectando concessões a todo território nacional através das BR-116, 277, 376 e 476, sendo também ponto de passagem para outros municípios. O Sistema Viário do município em 2009 possuía 877.162 metros de estradas, distribuído em 147.670 metros de vias urbanas, 16.100 metros de vias municipais rurais, 24.720 metros de rodovias federais, 25.570 metros de rodovias estaduais todas pavimentadas e 399.802 metros de são vias municipais urbanas não são pavimentadas e 273.300 metros de vias rurais sem pavimentadas (AMPLA, 2010, p.19). O fluxo constante da frota automotiva é ponto relevante de observação, tendo em vista que Colombo possui uma geologia formada de rochas metamórficas e ígneas, registrando em sua formação deformações e erosões.

Outra questão que impacta nos planejamentos estruturantes para Colombo diz respeito à manutenção das áreas de preservação ambiental, reservas de Araucárias Angustifólias, do Aquífero Karst, que “implica na necessidade de conhecimento detalhado de sua distribuição pelos problemas relacionados à ocupação urbana, principalmente os riscos de afundamentos e colapsos de solo, além do interesse nas reservas de água nelas contidas” (MINEROPAR1, 2016). Em Colombo, o aquífero situa-se na região norte, tipicamente rural. O Aquífero tem grande potencial para abastecimento de água potável, com uma área de 8.677 há, ou seja, 43,67% do Município. A falta de cuidado com a região pode acarretar: rebaixamento do lençol freático, riscos de rebaixamento ou desabamento no solo; secamento ou diminuição da vazão das fontes e riachos da região, secamento ou rebaixamento de lagos e reservatórios e diminuição de água disponível para a produção agropecuária, além de rachaduras e desabamentos de construções da região. Estes potenciais problemas pelo uso indevido, denuncia a sua importância e grande interesse de conservação. Uma das grandes interessadas nesta área é a Sanepar, que perfurou grandes poços tubulares, porém muitos foram desativados em razão dos impactos ambientais decorrentes.

Os principais rios de Colombo são: Palmital que ocupa 37,71% do território, sendo 22% em áreas de ocupação irregular, Atuba, Bacaetava, Capivari, Arroio Arruda, Morro Grande e Caquiri. Colombo detém 70% da bacia do Capivari e 30% entre as bacias do Palmital, Atuba e Sub-bacia do Iguaçu (SCHNEIDER2, 2001).

O Clima é propício à cultura de hortaliças, frutas e verduras, variando entre 28,9°C e 10,8°C, com média anual de 16,9°C (Hindi etall3, 2002) o que propicia a olericultura, introduzida na região entre as décadas de 1970 e 1980, que vem se destacando no município. Porém, o processo de urbanização tanto da Capital, quanto da região metropolitana como um todo, tem provocado mudanças no clima. O solo é fonte de recursos naturais para a agricultura, em 2003 abrangia certa de 57% do território, tem diminuído em decorrência da exploração imobiliária, mantendo-se preservado as áreas que pertencem às áreas de preservação permanente. Para fazer frente à redução de espaço e ao crescimento da demanda, os agricultores têm-se utilizado do uso de máquinas agrícolas, irrigação, e ampliação do uso de fertilizantes. Vale a pena reforçar que a partir de 2000, Colombo, se firma como o principal município produtor de hortaliças e o segundo do Paraná, fazendo com que o trabalho no campo continue a ser a sua principal característica. O turismo rural, também vem despontando como alternativa e fonte de renda, além da retomada das plantações de uva, que caracterizaram a região no início de sua colonização.

As atividades relacionadas a exploração do cal, abundante na região, são motivos de questionamento e os novos rumos da sustentabilidade colocam em cheque está alternativa de exploração deste recurso natural em relação a manutenção ambiental e do aquífero Karsten.

Justificativas

O processo de expansão urbana desordenado dos nos últimos 40 anos gerou grande impacto social, causou fortes mudanças na paisagem rural de Colombo, nas características culturais, ambientais e sociais do município;

A fragilidade da zona rural em relação ao processo de degradação ambiental e a necessidade de preservação ambiental sustenta a necessidade de desenvolver novas tecnologias produtivas que venham a suprir a necessidade de produção e ao mesmo tempo preservar o ambiente onde o cultivo se insere;

A necessidade de proporcionar aos cidadãos colombenses desenvolvimento socioeconômico e ambiental constantesimputa não só ao gestor público, mas também ao empresariado e a sociedade, o desafio de estabelecer e desenvolver um ambiente social e econômico que ofereça a oportunidade ao desenvolvimento criativo e inovador do capital intelectual existente na região;

A necessidade de estimular a vinda de organizações que contribuam com a aceleração de empreendimentos e aperfeiçoamento do conhecimento de forma sustentável, por meio de trabalhos conjuntos;

Manter as características agrícolas, e proporcionar a oportunidade de expandir o setor industrial de forma sustentável, formou-se o Projeto do Parque Agroindustrial de Base Tecnológica de Colombo. O projeto pauta-se na criação de um ambiente que incentive o desenvolvimento tecnológico tanto para a área agrícola quanto para a área industrial. O parque seria o elo entre as regiões norte, sul e centro do município que se diferiram nos últimos anos em razão das questões urbanísticas e sociais.

Faz com que a instalação do Parque Agroindustrial de Base Tecnológica, insiraColombo no mesmo caminho percorrido,de forma bem sucedida, por outras regiões do mundo, a exemplo do: “Silicon Valley – USA”, “Quartier de L´innovation-Canadá”, “MaRS-Canadá”, “IC2 Institute – USA”, assim o projeto insere modificações na politica pública, trazendo apoio às iniciativas empreendedoras, à geração da competitividade empresariale ao desenvolvimento técnico-científico, tendo em vista que leva em conta a formação de redes interinstitucionais, iguais as encontradas em agrupamentos semelhantes aos que se quer instituir em Colombo.

Assim, o projeto do Parque Agroindustrial de Base Tecnológica envolve a Lei de inovação, a instalação de incubadoras, redes de apoio, mudanças legislativas e arranjos interinstitucionais e segue a tendência mundial de buscar a inovação e desenvolver as especialidades regionais em um esforço conjunto.

Beneficiários Diretos e Indiretos

 

    • Estudantes do ensino médio.

 

    • Jovens empreendedores na faixa etária dos 20 aos 34 anos.

 

    • Agricultores de médio e pequeno porte enquadrados no perfil de Agricultura Familiar.

 

    • Empresários locais de pequeno e médio porte.

 

    • Empresas de médio e grande porte da área de inovação tecnológica.

 

    • Pesquisadores, cientistas e inventores.

 

 

Impactos

A instalação do Parque Agroindustrial de Base Tecnológica traz impactos no desenvolvimento da sociedade por unir os elementos fundamentais da cidadania como: ensino, formação de valor, oportunidades de emprego e renda além de negócios. De forma direta, o projeto impacta em três pilares:

Social:
com a criação de perspectivas futuras de geração de emprego e renda; com a articulação contínua entre os poderes públicos, instituições de ensino públicas e privadas, de apoio para o desenvolvimento regional que se reflete na melhoria da autoestima dos cidadãos; com a promoção e a interação entre as instituições de ensino, pesquisa, desenvolvimento tecnológico e de informação e das empresas abrangidas; com a indução da transferência de conhecimento das instituições de ciência e tecnologia parceiras para o setor empresarial participante e consequentemente para a sociedade que dela faz parte;

Econômico:
com o desenvolvimento de oportunidades em áreas de tecnologia e inovação nas áreas agrícolas e industriais da região; com o desenvolvimento de instrumentos difusores e catalizadores de informação e inovação, influenciado o crescimento econômico; com o desenvolvimento do ambiente propício para atração e fixação, por longo prazo, de investidores na região; com o desenvolvimento de oportunidades para a retenção da mão de obra local; com o investimento em novos setores econômico do município e principalmente no futuro das próximas gerações.

Ambiental:
com o reflexo sobre a gestão urbana do uso do solo; com a estruturação de ambiente integrado entre geradores de oportunidades e comunidade, reduzindo-se os impactos ambientais por meio do desenvolvimento tecnológico e da inovação, melhorado o aproveitamento das áreas já ocupadas.

Relevância

Este projeto se mostra relevante, por fortalecer a estrutura econômica local explorando os aspectos sistêmicos das organizações produtivas e o desenvolvimento de uma sociedade mais justa e sustentável. Além de proporcionar o estabelecimento de um centro de pesquisa e inovação, tanto nas áreas agrícolas quanto na área industrial, que proporcionará aos jovens uma motivação para, além de morar, trabalhar em Colombo. O projeto também busca incentivar a abertura e formalização de empresas inovadoras e de base tecnológica possibilitando o desenvolvimento econômico e a geração de emprego e renda, o que influência na diminuição dos impactos sociais gerados pelas mudanças urbanísticas e populacionais presentes em Colombo.

Objetivos para o Desenvolvimento Sustentávelque serão atingidos pelo projeto

Objectivo 4:
Assegurar a educação inclusiva e equitativa e de qualidade, e promover oportunidades de aprendizagem ao logo da vida:
4.3 – Até 2030, assegurar a igualdade de acesso para todos os homens e mulheres à educação técnica, profissional e superior de qualidade, a preços acessíveis, incluindo universidade;
4.4 – Até 2030, aumentar substancialmente o número de jovens e adultos que tenham habilidades relevantes, inclusive competências técnicas e profissionais, para emprego, trabalho decente e empreendedorismo.

Objectivo 8:
Promover o crescimento econômico sustentado, inclusivo e sustentável, emprego pleno e produtivo e trabalho descente para todos:
8.2 – Atingir níveis mais elevados de produtividade das economias por meio da diversificação, modernização tecnológica e inovação, inclusive por meio de um foco em setores de alto valor agregado e dos setores intensivos em mão de obra;
8.3 – Promover políticas orientadas para o desenvolvimento que apoiem as atividades produtivas, geração de emprego decente, empreendedorismo, criatividade e inovação, e incentivar a formalização e o crescimento das micros e pequenas e médias empresas, inclusive por meio do acesso a serviços financeiros.

Objectivo 9:
Construir infraestruturas resilientes, promover a industrialização inclusiva e sustentável e fomentar a inovação:
9.2 –Promover a industrialização inclusiva e sustentável e, até 2030, aumentar significativamente a participação da indústria no setor de emprego e no PIB, de acordo com as circunstâncias nacionais, (…);
9.5 – Fortalecer a pesquisa científica, melhorar as capacidades tecnológicas de setores industriais (…), incentivando a inovação e aumentando substancialmente o número de trabalhadores de pesquisa e desenvolvimento por milhão de pessoas e os gastos público e privado em pesquisa e desenvolvimento;
9.5-b – Apoiar o desenvolvimento tecnológico, a pesquisa e a inovação nacionais nos países em desenvolvimento, inclusive garantindo um ambiente político propício para, entre outras coisas, a diversificação industrial e a agregação de valor às commodities.


Objectives

  • Gerais: Instituir no Município de Colombo um Parque Agroindustrial de Base Tecnológica e um Centro de Inovação em Agronegócio, voltado ao incentivo e à aceleração de empreendimentos de alto conhecimento inovador, proporcionando um ambiente institucional à formação de um futuro Arranjo Produtivo Local – Cluster, que traz na sua existência os benefícios notoriamente reconhecidos.

  • Implementação do Parque Agroindustrial de Base Tecnológica (Aspectos Legais);

  • Implementação do Condomínio Agroindustrial de Base Tecnológica (Aspectos Legais e de viabilização de áreas com infraestrutura) e

  • Implementação do Centro de Inovação em Agronegócios – Incubadora e Aceleradora (Infraestrutura).


Strategies

Premissas

    • Espaço “coworking”: composto de salas de reunião, “lof” e cozinha cooperada, conexões de internet, atendimento telefônico e apoio de secretaria;
    • Espaço físico para desenvolvimento dos projetos, em “networking” com empresas voltadas à inovação técnica e científica;
    • Acesso a programas acadêmicos de especialização e extensão curricular nacional e internacional;
    • Acesso à participação em eventos e cursos para desenvolvimento técnico-científico;
      Acesso a programas governamentais de investimento para desenvolvimentos de projetos e produtos;
    • Apoio para “startups, business plan” e registros de marcas e patentes;
      Acesso a Politicas Públicas de incentivo ao desenvolvimento inovador sustentável;
    • Contato com profissionais de várias áreas do conhecimento, que possibilita a troca de informações e o desenvolvimento interpessoal.
    • Impulsionar a geração de empresas inovadoras, concentrando-se nas “spin-off” de instituições de ensino e pesquisa.
    • Proporcionar uma entidade gestora às empresas e instituições de ensino, pesquisa, desenvolvimento tecnológico e de informação localizadas no âmbito do parque, a fim de divulgação e obtenção de mantenedores e apoiadores.
    • Estimular ações cooperadas e compartilhadas para gestão dos recursos obtidos, para gestão da infraestrutura comum, para a transferência de tecnologia, para o estabelecimento de redes com outras ações similares.

Parceiros Envolvidos

Entidades Governamentais:
Prefeitura Municipal de Colombo – Paraná, Secretaria de Estado do Planejamento e Coordenação Geral, Instituto de Tecnologia do Paraná – TECPAR, Agência de Fomento do Paraná – FomentoParaná, Agência de Desenvolvimento do Paraná – ADP, Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul – BRDE e Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária – EMBRAPA/Florestas.

Entidades não governamentais:

    • Serviço de Apoio a Micro e Pequena Empresa do Estado do Paraná – SEBRAE/PR,
    • Federação das Indústrias do Estado do Paraná – FIEP/PR,
    • Associação Nacional de Entidades Promotoras de Empreendimentos Inovadores – ANPROTEC,
    • Câmara Ítalo-Brasileira de Comércio e Indústria do Paraná – ITALOCAM,
    • Câmara de Comércio e Indústria Brasil Japão do Paraná – CCIBJ,
    • COPEL Telecomunicações S/A – Copel Telecom.

Entidades de Ensino Superior:

    • Universidade de Aveiro – Portugal, Instituto Superior de Ciências da Informação e Administração – ISCIA/Portugal,
    • Universidade Federal do Paraná – UFPR / Grupo de Estudos e Pesquisas em Tecnologia Aplicada – GEPTA/SEPT,
    • Pontifícia Universidade Católica do Paraná – PUCPR e
    • Instituto Federal do Paraná – IFPR (Unidade Colombo)

Entidades Privadas:

    • Sistema de Informação em Educação e Tecnologia – SCIENTECH

Metas do Projeto

    • Elaborar a minuta de Lei para a criação e regulamentação da rede de inovação e à pesquisa científica que incluí o Sistema Municipal de inovação, o Conselho Municipal e o Fundo de Inovação e estabelece os incentivos e estímulos à inovação, bem como trata do Parque Agroindustrial: OUT/16

 

    • Enviar à Câmara legislativa o projeto de Lei elaborado: DEZ/16

 

    • Realizar o 2º Fórum de Inovação para criação do ambiente local para instalação do parque: MAR/17

 

    • Estabelecer a rede de apoio, por meio de PPP, Acordos e Convênios com os apoiadores do projeto: até JUN/17

 

    • Instalar a primeira empresa de pesquisa e inovação no âmbito do parque: até JUL/17
      Consolidar a formação do parque e incubadora tecnológica: até JUL/17

Recursos: Origem dos Recursos de Manutenção

    • Recursos próprios (previsão na LOA e LDO): programa de incentivos a inovação (inseridos na lei municipal de inovação)
    • Termos de cooperação técnica e financeira com órgãos externos.
    • Parcerias Públicas e Privadas (PPP), conforme legislação vigente.

Restrições

    • Recursos Financeiros próprios escassos
    • Necessidade de capacitação de recursos humanos na estrutura organizacional para conduzir o processo

About

Equipe Técnica:
Cezar Antonio Bittencourt Junior
Ângela de Fátima Caron
Lis Gracieli Alberti
Marco Aurélio Gastão
e-mail: sec.planejamento@colombo.pr.gov.br


Connected Cities